Publicado em TAG

TAG dos Clichês

Apesar de termos aquela birra com clichês todo o livro que a gente pega para ler tem algum clichê. Sendo assim, vamos à TAG dos Clichês que vi no Livraria em Casa!

1. Quem eu escolho? (triângulo amoroso que você achou mais desnecessário)

Eu não consegui pensar em nenhum de primeira, até porque acho bem desnecessário a maioria dos triângulos amorosos, mas esse que o Paulo comentou no vídeo dele é realmente bem bizarro: Abe, Emma e Jacob de O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. BI-ZAR-RO! Se você leu e entendeu a necessidade disso, me explique por favor. Grata.

2. “Soltou o ar que não sabia que estava prendendo” (Última vez que leu a frase)

Eu não tenho a menor ideia de quando eu li essa frase na vida, mas sei que li já algumas vezes. Isso tem cara de mangá shoujo pra mim (os reis dos clichês junto aos doramas). Pensando em livros, isso tem cara de ter aparecido em Crepúsculo.

3. Oi, já te amo! (o instalove mais rápido)

Primeiro pensei em Crepúsculo de novo, mas aí lembrei de Amante Sombrio da série A Irmandade da Adaga Negra, escrita pela J. R. Ward. Eu costumo a evitar insta loves, mas o Wrath e a Beth tem um relacionamento extremamente rápido… Inclusive, este é o livro que menos gosto até agora.

4. Uma bigorna nos ombros (personagem que carrega a culpa do mundo)

Tem vários personagens que poderiam se encaixar aqui. A maioria dos protagonistas acham que carregam o mundo nas costas, mas o primeiro que me vem à cabeça é a Clary da série Os Instrumentos Mortais escrita pela Cassandra Clare. Puta que pariu que garota chata! Tudo ela acha que é culpa dela ou sobre ela…. Insuportável!

5. Complexo do melhor amigo (aquele que sempre se apaixona por ou é a paixão do personagem principal)

Esta aqui também vou dar a mesma resposta do Paulo: Simon de Instrumentos Mortais. Ele se encaixa tão bem aqui porque além de ser aquele chichêzão do cara ser totalmente apaixonado pela melhor amiga e ela não fazer ideia, ele meio que insiste nisso durante quase todos os livros. Pelo amor de Deus! Sai dessa colega!!!

6. O intelectual (personagem super inteligente que lhe fez sentir estúpido)

Um personagem inteligente que sempre me faz sentir estúpida é o Sherlock Holmes. A capacidade dele de observação de detalhes e de dedução é tão absurda que deixa qualquer um se sentindo um completo idiota!

7. Casal silêncio (falta de comunicação entre personagens)

Se tem um casal que eu passei raiva por causa disso, na verdade são dois casais: Tris e Quatro da série Divergente da Veronica Roth e Mia e Michael da série do Diário da Princesa da Meg Cabot. Em ambos os casos, eles criam problemas imensos por coisas que facilmente davam para ser conversadas e resolvidas. Sempre eles resolvem tomar decisões sozinhos e dá merda. Eu queria morrer pensando “conta looooogo”!

8. O poderoso chefão (personagens jovens com cargos altos demais)

Esse tipo de personagem é o mais clichê dos doramas, mas uma vez que não tenho saco pra romance, é difícil que eu leia livros que tenha um personagem assim. Além do óbvio Christian Grey de 50 Tons de Cinza, só consigo lembrar do Michael de O Diário da Princesa, que com o desenrolar da história acaba abrindo uma empresa milionária com uma idade de 20 e poucos anos. 

9. O engraçadinho chato (personagens escritos com a intenção de serem legais, mas só irritam)

Aqui eu não consigo escolher um personagem, mas posso colocar a maioria dos personagens de Instrumentos Mortais. A Cassandra Clare tenta fazer tanta piada nos livros que chega uma hora que cansa! Tem hora que a piada é tão forçada, principalmente em momentos que não precisa de piada! As únicas piadas que gosto são do Magnus e algumas do Simon.

10. Personagem principal coadjuvante (quando o livro é todo sobre o interesse romântico)

Quem ler vai querer me apedrejar e dizer que não é isso e que tem muito mais história política de fundo, mas eu preciso dizer que pra mim pareceu que os dois últimos livros de Jogos Vorazes foram inteiramente sobre o Peeta. O livro todo do Em Chamas foi “como manter o Peeta vivo” e A Esperança foi “como salvar o Peeta e fazer ele recobrar a sanidade”. Isso estragou grande parte da história pra mim. Sério.

11. Leitor do contra (clichê que você ama e não se cansa de ler)

Eu acredito que isso seja um clichê e confesso que amo! Sabe aqueles livros que você vai lendo sabendo que vai ter um plot twist no final e você vai descobrir que tudo que você achava que era verdade, na verdade não era? Amo plot twist que me surpreende, mas aqueles que realmente são embasados em fatos na história e não aqueles que são extremamente convenientes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s